Brasil | SINDICATOS | PANDEMIA

Trabalhadores de frigoríficos denunciam casos de Covid-19 em frente à Bolsa de Valores

Reunidos na entrada da Bolsa de Valores, em São Paulo, eles pedem testagem em massa, maior distanciamento e fornecimento de máscaras adequadas
Foto: CNTA

Um grupo de cerca de 120 trabalhadores de frigoríficos realizou, nesta quinta-feira (24/9) uma manifestação em frente à B3 – Bolsa de Valores de São Paulo – para denunciar o elevado número de casos por Covid-19 entre profissionais do setor.

A mobilização foi convocada por Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação e Afins (CNTA), Confederação Brasileira dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação da CUT (Contac) e União Internacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (UITA).

“Esse manifesto era para termos feito em frente a um frigorífico, mas avaliamos o risco e, para evitar aglomeração, achamos por bem ir para a frente da B3 e fazer o máximo para mostrar a nossa situação”, disse Artur Bueno de Camargo, presidente da CNTA.

A entidade estima que mais de 20% dos trabalhadores do setor já tenham sido contaminados pela Covid-19 – número que, segundo Camargo, não foi constatado pelo governo nem pelos frigoríficos.

“Muito provavelmente, o número deve ser muito maior. Tanto é que ninguém contesta”, aponta Bueno Camargo.

Os trabalhadores reivindicam a adoção de três medidas adicionais de proteção contra a Covid-19: o fornecimento de máscaras do tipo PFF2, de maior eficácia na proteção contra o coronavírus; criação de um turno adicional de trabalho com redução do número de trabalhadores, para aumentar o distanciamento social nas plantas; e testagem em massa.

Ameaça de greve

“Nós nos reunimos com os frigoríficos e apresentamos essas propostas, mas como não avançaram as negociações, estamos intensificando a nossa campanha, explica Camargo, ao ressaltar que os sindicatos limitaram a participação dos trabalhadores na manifestação, para evitar aglomerações – motivo pelo qual também estão evitando início de uma greve.

Caso as negociações não avancem, contudo, Camargo afirma que a categoria está disposta a correr riscos e paralisar as atividades. “Se chegarmos ao ponto de não haver mesmo uma disposição por parte dos frigoríficos e do governo para dar condições mínimas para garantir a vida dos trabalhadores, vamos ter que correr esse risco, de ir para a porta da fábrica e começar a fazer paralisação”, relata o presidente da CNTA.

Camargo também reconhece os prejuízos que o movimento pode causar à economia do país. “A situação nos obriga a fazer esse manifesto junto aos acionistas e mostrar como está a situação. Tudo isso é muito ruim para o próprio país, mas nós não podemos nos calar”, conclui o sindicalista.